O Cientista e a Descoberta

A curiosidade era a sua melhor amiga,

Sua vida,

Seu laboratório,

Onde os dias,

Eram tubos de ensaio,

Os minutos,

Eram velhas cobaias,

Os lugares,

Intensas pesquisas de campo,

Suas relações?

Misturas químicas,

Quimeras,

Múltiplas reações,

Belas alquimias,

Simples explosões,

Entre tantas buscas, uma única vontade,

Entre tantas dúvidas, uma íntima verdade,

Certa,

A grande chance, de encontrar a Descoberta!


E com ajuda essencial das velhas cobaias, ocorreu o tão esperado encontro. Foi aí que tudo parou.

O Cientista a contemplou, abraçou e beijou intensamente a Descoberta, e de tanto procurá-la, já não tinha mais palavra, apenas amava. Olhava, pois sabia que era única, estava, em um novo universo.

Agora, todos os dias ele sai em busca dela, só pra experimentar de novo o gosto daquela reação, sensação, feito gás hélio impulsionando o balão.

Pois sabe que a qualquer minuto, ela pode encontrá-lo novamente,  de repente.

Ele só não a conheceu ainda, apenas sabe, que tem calor ardente.

6 pensamentos sobre “O Cientista e a Descoberta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s