Ancestral desire

High doses of dopamine,

To live brings experience,

That life turns into adrenaline,

Visceral behavior,

It opens the sensors,

Of the ancestral sense,

From the brain to their enzymes,

There is a social desire,

A mirror network,

Stitching the line of survival,

Weaving the present senses,

With old dreams,

Future desires,

And old friends,

For the revolution to happen,

And awaken new consciousness,

Between the collective and the social,

Irrational impulse,

Primitive,

Essential.

Social Brain

Em altas doses de dopamina,

A vivência traz experiência,

Que a vida transforma em adrenalina,

Comportamento visceral,

Abrem-se os sensores,

Do sentido ancestral,

Do cérebro às suas enzimas,

Existe um desejo social,

Uma rede de espelhos,

Que costuram a linha da sobrevivência,

Entrelaçando os sentidos presentes,

Com sonhos antigos,

Desejos futuros,

E velhos amigos,

Para que aconteça a revolução,

E despertem a nova consciência,

Entre o coletivo e o social,

Impulso irracional,

Primitivo,

Essencial.

Sobre portas e pássaros

As portas se abrem,

E as pontes são criadas,

Mais perto do horizonte,

Com distâncias encurtadas,

.

Um pássaro que voa pra longe,

Enxerga outros horizontes,

Ganha novas asas,

E encontra novas casas,

.

Uma ave que decola,

Redescobre a vida,

Viaja em voo livre,

Na esperança de um futuro,

.

Olhos atentos,

Rapidez e atenção,

Agora nenhum vento,

Lhe tira a direção,

.

Sentidos aguçados,

Inconsciente que borbulha,

Neurônios que disparam,

Tempestades de sentido,

.

Experimentação,

Chave de qualquer fechadura,

Leitores sensoriais,

Decifram as entrelinhas e descobrem algo mais,

.

Afinal,

Se as portas ficassem sempre abertas,

Ninguém voaria em busca das chaves.

Dublin Doors