Sobre portas e pássaros

As portas se abrem,

E as pontes são criadas,

Mais perto do horizonte,

Com distâncias encurtadas,

.

Um pássaro que voa pra longe,

Enxerga outros horizontes,

Ganha novas asas,

E encontra novas casas,

.

Uma ave que decola,

Redescobre a vida,

Viaja em voo livre,

Na esperança de um futuro,

.

Olhos atentos,

Rapidez e atenção,

Agora nenhum vento,

Lhe tira a direção,

.

Sentidos aguçados,

Inconsciente que borbulha,

Neurônios que disparam,

Tempestades de sentido,

.

Experimentação,

Chave de qualquer fechadura,

Leitores sensoriais,

Decifram as entrelinhas e descobrem algo mais,

.

Afinal,

Se as portas ficassem sempre abertas,

Ninguém voaria em busca das chaves.

Dublin Doors

Cooking Poetry

Saute a handful of letters with commas,

Mix until turned into words,

Add doses of fantasy,

The baking of metaphors,

Cover accents the essence of verbs,

Mix with liters of imagination,

Find the beauty in the verses,

Add playful doses of adjectives,

Get several flavors,

Although subjective,

Season with opposite directions,

Throw yourself in the pot of the mind,

Boil and turn on,

The unconscious cooker.

Brain Explosion

Wait for the bubbles of thinking.

Sentido biológico

Expressão e biologia,

Do sentido à cevada,

A planta do pé foi pauta,

Pra entender o movimento,

Da arte do corpo e sua extensão,

Cheiro, tempero e poesia,

Fazem parte dos gestos,

Dos sorrisos e olhares,

Da Lua,

Em bela noite de alquimia,

Antropofagia.

Frases e fases

Alquimia de azeite

Passei horas pensando,

Qual seria o sabor do azeite?

Uma alquimia do avesso?

Pensei tanto,

Que voltei ao começo!

Azeite o alho e então alecrim,

Aceito essa odisséia,

Se não chego ao fim.

Estava procurando por uma grande aventura, até provar o sabor do alecrim.

 

 

Ingestão de arte

Música e cozinha,

É receita de alquimia,

Misturas mágicas são,

Fórmulas de expressão,

Assim como a poesia,

 

Na cozinha,

Obras são pratos,

Ingeridas com o paladar,

Assim como a arte é visão,

De beleza,

 

Na música,

Obras são melodias,

Degustadas com os ouvidos,

Assim como os sons,

Da natureza,

 

Ambas são consumidas,

Deglutidas,

Saboreadas,

Feito antropofagia,

Prestigiadas,

Juntas são terapia.

Frutos do sabor

Morango e suas curvas,

Beleza marcante, vermelho pujante,

Um tanto sensível, porém excitante,

Caju e seus aromas,

Cheiro envolvente, cores vibrantes,

Sabor que encanta, vontade viciante,

Jabuticaba e seu olhar,

Doce irresistível, sabor em prazer,

Me prende a seus pés, sem mesmo entender,

Manga! Ahh… A manga!

Seus fluídos escorrem feito fonte de prazer,

Seu cheiro invade as narinas sedentas,

Se deitam em meio ao néctar mais doce,

Intensa, esquenta, envolve, abraça,

Faça, fica, não seque jamais,

Só não me acorda, eu quero mais…

Foto By Caio Martins

Gastropoeticologia

Refogue um punhado de letras com vírgulas,

Mexa até virar palavras,

Adicione doses de fantasia,

Junte ao fermento das metáforas,

Cubra de acentos a essência dos verbos,

Misture com litros de imaginação,

Encontre a beleza nos versos,

Acrescente doses lúdicas de adjetivos,

Obtenha sabores diversos,

Ainda que subjetivos,

Tempere com sentidos inversos,

Se jogue na panela da mente,

Deixe de molho e acenda,

O fogão inconsciente.

 

Aguarde as borbulhas do pensar…