O tutano da vida

Fui voar e mergulhar,

Destilar a beleza dos detalhes,

Explorar a  leveza das brisas,

Extrair a riqueza dos gestos,

Filtrar com destreza lisa,

Comer o tempero dos verbos,

Desfrutar com o doce prazer,

De sugar o tutano da vida,

E compor a essência dos versos.

Mergulho Pro Fundo

Paisagem de palavra

Suas palavras são uma passagem de ida,

A um mundo doce de fantasia,

Onde tom é beleza,

E fadas são vida,

Letras têm cheiro,

Na bela paisagem colorida.

Rio, mar e mente de pujante cor,

Montam grandes ondas cheias de sabor.

Doce Mar

O dia em que o mar falou

  Estou ciente,

Que o mundo girou,

E eu estava presente,

No dia em que o mar falou.

 

Menos gente,

O tempo passou,

Mas eu estava presente,

No dia em que o mar falou.

 

Desde sempre,

Livre estou,

Mas eu estava presente,

No dia em que o mar falou.

 

Simplesmente,

O fundo escutou,

Que eu estava presente,

No dia em que o mar falou.

O dia em que o mar falou

Onde as águas são palavras e as ondas são vírgulas.

Sobre comer e roer

Roer é receio,

Comer é vontade,

Roer é saudade,

Comer é saúde,

Roer é corpo,

Comer é alma,

Roer é quase,

Comer é certo,

Roer é matéria,

Comer é metáfora,

Roer é nado,

Comer é mergulho,

Roer é raso,

Comer é profundo,

Roer é distância,

Comer é entrega,

Roer é saber,

Comer é sabor,

Roer é ter,

Comer é valor,

Comer é ser.

 
Inspirado em Rubem Alves no livro – Sobre a ciência e a sapiência. E em todos os outros antropófagos que já existiram.

Fragmentação natural

Como um mosaico, nossa mente é fragmentada,

E vive se multiplicando em outros fragmentos,

Nos mostrando inúmeros Eu’s,

Facetas que se escondem nas águas do inconsciente, saltam e dançam no oceano da mente,

Como grãos de areia que se reagrupam a cada nova onda,

Assim é nosso Ser,

Como uma colcha de retalhos, costurada com a linha da experiência,

Ser,

Se transforma a cada sensação, se abre a cada novo sentido.

Cores sobrepostas, novas tonalidades.

Verdades se tornam dúvidas,

Vendidas ao próximo vento,

Faladas em breve momento,

Ser e não ser,

Muito mais certo do que o tempo,

Eu fui,

Eu estou,

Eu vou,

É,

Ou,

Não,

Era,

Uma vez,

Talvez,

Sim e não,

São vidas em conflito. Constante contradição.

Andei

Pelo mar andei,

Entre ondas leves,

Suaves brisas,

E a paz que encontrei,

Tomei coragem,

Mergulhei,

Banho de água azul,

Praia de ninguém,

Cada encosta uma viagem,

Conchas cantavam,

Pássaros dançavam,

De passagem,

Peixes pulando de emoção,

Onde tudo é paisagem,

Imagem e ação.

Odisséia

Fui pra uma Odisséia,

Embora,

Eu só estivesse na Juréia,

Tantos foram os passos,

Simples e sem sapatos,

Passando pelo pássaro,

Percebendo as mudanças do tempo,

Da tábua das marés,

Às encostas do Una,

Espinhos e espadas,

Restos e cascos de tartaruga,

Gaivotas voam caladas,

É a fuga das garças,

E os urubus passeiam,

Na caça,

 Procurando a próxima carcaça,

Por mais uma hora e por mais outro dia.

Pra onde se foi a vida?

Mágica Ilhabela

Bela ilha de verdes encantos,

Me leve navegando,

Andando a pé ou nadando na beira,

Flutuando, na praia da feiticeira.

Praia de Feiticeira, Ilhabela – SP

Bela ilha que traz saudade,

Terra de inspiração,

Barco a vela de tranqüilidade,

Mágica sensação.

Praia do Veloso, Ilhabela – SP

Belas milhas de brilho azul, mergulho na alma em profundidade.